aliger em AI

19 de outubro, 2018

Gestão de riscos e desastres: O uso da IoT e da IA hoje é fundamental

Como a Internet das Coisas (IoT) e a Inteligência Artificial (IA) podem fazer com que a gestão de riscos e desastres seja qualificada nas empresas? Novas tecnologias vêm sendo empregadas nas organizações para que elas consigam identificar situações e agir preventivamente, evitando a perda de bens e recursos. Essas tecnologias vão de sensores a algoritmos capazes de ler e analisar as informações captadas, oferecendo dados confiáveis para o gerenciamento de riscos e desastres. Conheça, nos tópicos a seguir, algumas das possibilidades de uso dos recursos.

Prevenção de desastres naturais

Os desastres naturais são um grande problema para as indústrias e, até recentemente, não havia nenhuma forma de lidar com eles. Os backups, para assegurar acesso aos dados, a construção de estruturas seguras para instalar o maquinário das empresas e a compra de produtos, como seguros, eram tudo que se podia fazer para reduzir os riscos. Com o advento da Internet das Coisas, muito mudou. A tecnologia está gerando um impacto e permite que conheçamos riscos e desastres muito antes de eles acontecerem, o que representa uma vantagem competitiva. Dispositivos que funcionam sob condições menos que ideais (de modo que há uma conexão wireless muito fraca ou poucas fontes de energia), referidos como LoRa (Low Power, ou baixa energia), são utilizados para realizar triagens e detectar o início de atividades tectônicas com precisão. Permitindo que as empresas possam agir antes que um desastre aconteça, eles mudam nossa forma de encarar situações problemáticas e podem até salvar vidas.

Gestão de riscos eficiente

A Inteligência Artificial é associada aos objetos inteligentes para transformar a prevenção de desastres em uma tarefa muito mais acurada. Utilizar robôs, sensores e drones é uma maneira de coordenar melhor as ações em áreas de risco e garantir que provedores de serviços possam entender as situações em que estão inseridos com mais velocidade. O corpo de bombeiros, por exemplo, pode processar as áreas de calor em um prédio com visão computacional e software inteligente para traçar rotas mais eficientes e chegar até as vítimas. Recursos assim permitem que profissionais sejam colocados sob menos risco e possam fazer seu trabalho com maiores chances de sucesso.

Resposta para desastres com Inteligência Artificial

A AIDR (Artificial Intelligence for Disaster Response), ou resposta para desastres com inteligência artificial, é uma tendência que se preocupa em obter uma visão completa dos problemas antes de agir. Essa visão completa, afinal, pode ajudar a definir planos mais inteligentes e auxiliar as empresas a se prepararem com o equipamento e o treinamento certos para mitigar o efeito de desastres. Um recurso online criado pelo Instituto de Pesquisas Computacionais do Qatar utiliza machine learning (e inteligência artificial) para identificar tweets feitos em situações emergenciais, encaminhando essas informações para redes de voluntários e governos. Em um recente terremoto no Nepal, a tecnologia foi utilizada para verificar quais áreas foram mais afetadas e quais eram as necessidades das pessoas nesses locais. As equipes foram capazes de enviar recursos, como água e comida, e de endereçar problemas, como infraestruturas danificadas com mais rapidez, porque apenas 72 h após o desastre em questão já estavam munidas das informações mais recentes sobre o caso. Hoje, usar a Internet das Coisas e a Inteligência Artificial para a gestão de riscos e desastres é uma maneira de qualificar esses processos e garantir que uma empresa estará sempre preparada para imprevistos. Algumas soluções, como os sensores de risco geológico, podem prever deslizamentos, afundamento de solo e queimadas no campo e ajudá-lo a impedir que essas atividades causem dano à produção. O que achou do uso dessas tecnologias para a gestão de riscos e desastres? Compartilhe a sua opinião conosco pelos comentários.

Escrito por

Tags

Open chat