aliger em Agricultura

6 de novembro, 2019

Como aplicar a inteligência artificial na pecuária no Brasil

Há ainda quem ache que tecnologia e a pecuária não combinam. De fato, historicamente, o setor pecuário era considerado bastante tradicional e apresentou muita resistência de adotar soluções digitais em larga escala o que pode fazer com que um conceito como a inteligência artificial na pecuária soe um tanto quanto distante. Essa não é mais a realidade. Tecnologias dotadas de inteligência artificial, ramo da ciência da computação que se propõe a criar máquinas e sistemas inteligentes, vem sendo adotadas no campo com os objetivos principais de otimizar a criação de gado e reduzir custos. Por meio da Inteligência Artificial na pecuária, o setor está entrando em uma nova fase uma que permitirá aos produtores aumentar seus lucros e criar verdadeiras fazendas digitais. Mas como isso é possível? Para te mostrar como a aplicação dessas tecnologias deixou de ser ficção científica e já se tornou uma realidade no setor, separamos abaixo três cases do uso da Inteligência Artificial na pecuária para otimização do trabalho no campo. Acompanhe conosco e veja como a tecnologia pode te ajudar!

3 cases de Inteligência Artificial na pecuária para inspirar sua fazenda

Case 1: Fazenda Nova Piratininga, GO

O primeiro desses cases de Inteligência Artificial na pecuária é o da Fazenda Nova Piratininga, que fica no município de São Miguel do Araguaia, em Goiás. A Fazenda Nova Piratininga é uma das maiores propriedades do Brasil. São mais de 205 mil hectares, e pelos menos 130 mil cabeças de gado, quase 2 mil pastos e cerca de 300 funcionários. Como é de se imaginar, fazer a gestão de tudo isso era um problema para os gestores da fazenda. Dentre os diversos problemas de gestão enfrentados, um dos mais básicos — e gritantes — era que os administradores não sabiam ao certo contabilizar nem o número de animais que possuíam. Não havia processos de gestão e manejo definidos, o que prejudicava diretamente os lucros e a produtividade. A mudança se deu com a aplicação de uma sistema de gestão agropecuária completo. Uma das novidades que o sistema trouxe foi a Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), que utiliza a coleta de dados para mostrar a realidade da fazenda na parte da cria e dar condições aos técnicos de acompanhar e monitorar indicadores estratégicas para criação do gado. Com as informações, foi possível planejar as melhorias necessárias para evoluir o rebanho. Resultado: na estação de monta do período de 2017/2018, a fazenda trabalhou com 52 mil matrizes e fez 68 mil protocolos de IATF. Foram mais de 360 mil manejos e o gerenciamento de 35 currais passou a acontecer simultaneamente, em tempo real — o que seria impossível de se fazer apenas com a força humana.

Case 2: Ribas Agropecuária, SP

A pequena Guarantã, no interior paulista, possui apenas 7 mil habitantes e abriga uma das famílias mais tradicionais na criação de bois brasileira. José Roberto Ribas Filho, que comanda a Ribas Agropecuária, está à frente do projeto conhecido como "boitel", o hotel de bois que vem mudando a forma de engordar os bois confinados. Nos anos 1950, o bisavô de José Roberto chegou a ter 100 mil bovinos na região soltos no pasto. Mas foi só na década de 1970, vinte anos depois, que seu avô montou um dos primeiros confinamentos para suprir o fornecimento de animais em períodos de seca. O negócio não cresceu muito — com cerca de 3 mil animais. Sua gestão era guiada pela intuição, não havia maquinário, muito menos controle de informações como alimentação e saúde dos bovinos. Após a morte do avô de José Roberto, a família largou a criação para focar na plantação de cana. Somente em 2011 que José Roberto resolveu resgatar a tradição agropecuária da família. Com ajuda da agropecuária de precisão, sistema de gerenciamento agrícola baseado na variação espacial e temporal da unidade produtiva, e da Inteligência Artificial na pecuária o produtor montou um confinamento que, inicialmente, se propunha a engordar os bois do próprio rebanho. Com o sucesso do empreendimento, em cinco anos José Roberto optou por estender o confinamento e oferecer seus serviços a terceiros. A partir da automação de todos os processos na engorda dos bovinos, o produtor conseguiu otimizar os resultados, com uma média de 1,8 quilo por animal ao dia. Ribas adotou a alimentação do gado por meio da agropecuária de precisão, que realizada o ajuste fino entre a dieta preconizada pelo técnico (nutricionista e zootecnista), fornecida no cocho e de fato consumida pelos animais. Isso com o auxílio da análise de dados individuais da nutrição de cada animal Ribas atribui o resultado ao uso de tecnologia para obter informações precisas sobre os animais e ao gerenciamento adequado delas.

Case 3: Embrapa Pecuária Sul, RS

As condições do pasto são um dos fatores cruciais no sucesso da produção agropecuária. Para garantir máxima eficiência, é preciso monitorar as variáveis climáticas, as condições do solo e ainda saber como distribuir o gado para que não sobre ou falte alimento. É exatamente isso que uma tecnologia desenvolvida pela Embrapa Pecuária Sul, de Bagé, em conjunto com a Unipampa permitirá. Os pesquisadores usam a Inteligência Artificial na pecuária para captar informações através de equipamentos distribuídos pelo pasto e usar um sistema que seja capaz de processar os dados e indicar soluções. O objetivo é ajustar a quantidade e a qualidade do pasto para os animais. O modelo usa sensores embarcados em drones para fazer análise do solo e do clima e identificar as áreas com melhor qualidade para o pasto. A partir disso, o sistema faz uma leitura automática e precisa, que também permite ajustar a lotação dos bovinos, evitando desperdício. Outra possibilidade desenvolvida pelos pesquisadores está relacionada ao monitoramento do bem-estar do animal. O sistema de Inteligência Artificial na pecuária monitora em tempo real a temperatura e as condições do lote durante o transporte, mapeando situações que possam causar sofrimento ou lesões no rebanho. Isso permitirá construir um modelo de transporte mais adequado para evitar a perda de animais. As possibilidades trazidas pelo uso da Inteligência Artificial na pecuária são inúmeras. A IA permite automatizar os processos de gestão pecuária e suprir os gaps criados pela migração cada vez maior das pessoas do campo para a cidade. Como resultado, o produtor tem mais eficiência, menos custos e uma produção mais lucrativa. A Aliger oferece as melhores soluções de Inteligência Artificial na pecuária para sua produção. Conheça mais sobre nossos serviços e veja como eles podem tornar sua produção mais digital!

Escrito por

Tags

Open chat